Atualidade de “Os Sertões”

aspas

“Os Sertões” correm o risco de se tornarem obra “difícil”, na medida em que nossa cultura linguageira está sendo degradada. Quem quer que, porém, tem a ventura de assenhorear-se com maior riqueza e flexibilidade desta nossa tristemente tão mal tratada língua, ao deparar as obras de Euclides dificilmente deixa de ser aliciado por sua grandeza e sua beleza – sem falar de sua perdurante atualidade.

Antonio Houaiss, Euclides Léxico, Gramática, in Diário Oficial do Estado de São Paulo, Caderno Especial, 18 dez. 1982.

Artista barroco

aspas

Havia de fato em Euclides da Cunha a magia do artista barroco. Ele via a realidade, às vezes, como se estivesse possuído, dominado por ela. E os seus poderes de mágico engrandeciam a realidade, transformavam as coisas do seu jeito, faziam vinho da água; realizavam o milagre.

José Lins do Rego, Gordos e magros

Sinceridade

Detalhe de capa de Os Sertões

Repito: não me preocupo com o destino literário daquele livro que é, afinal, um desgarrão na rota da minha engenharia rude; ele tem o mérito único da sinceridade; é o depoimento de uma testemunha e terá extraordinário valor se conseguir fornecer a futuros historiadores uma página única ― mas verídica e clara.

Euclides da Cunha em carta a José Veríssimo, Lorena, 24 de dezembro de 1901.

“Os Sertões” por Monteiro Lobato

aspas

…estudou Euclides da Cunha um dos dramas de nossa crueldade. Os outros, que o temos em número maior do que se supõe, jazem em branco, à espera de novos Euclides, suficientemente artistas para fixá-los em obra de verdade e arte. No geral esses dramas permanecem ignorados do país. (…) Canudos teve a sorte de topar em seu caminho um a serviço de uma consciência. Não fora isso, e o drama lá estaria hoje reduzido à mentiralha de encomenda dum relatório tendencioso, apologético para o vencedor, capaz de meter na história, como heróis, a gente que Euclides atou ao pelourinho. (…) O meio de neutralizá-lo é um só: contrapor-lhes Euclides. Infelizmente os Euclides são raros, e centenas de dramas se desenrolam antes que surja um.

Monteiro Lobato, 1920

“Os Sertões” por Samuel Putnam

aspas

[Os Sertões] é uma das mais admiráveis obras que se tem escrito em todos os tempos. Quanto posição que merece na estima e afeição de todo um povo, só pode ser comparada à Divina Comédia, ou ao Dom Quixote. Como os grandes clássicos, Os Sertões é a expressão profunda da alma de uma raça, tanto na sua força, quanto na sua confessada fraqueza.

Samuel Putnam (tradutor d‘Os sertões para a língua inglesa), 1948

“Os Sertões” por Guimarães Rosa

aspas

As páginas de Euclides rodaram voz, ensinando-nos o vaqueiro, sua estampa intensa, seu código e currículo, sua humanidade, sua história rude. E tinha conteúdo e direção o que Euclides comunicava em seus superlativos sinceros, na qualidade que melhor lhe cabia dar, nesta nossa largueza descentrada, de extremas misturas humanas, numa incomedida terra de sol e cipós.

Guimarães Rosa, Folha de S. Paulo, São Paulo, 1º de dezembro de 2002. Caderno mais!