Progresso

Tudo isto me revolta, me revolta vendo a cidade dominar a floresta, a sarjeta dominar a flor!

Euclides da Cunha, Em viagem (Folhetim), publicado em O Democrata, 4 abr. 1884. Reprod. de Obra completa, Fragmentos e relíquias, Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 2009, p. 804.

Tribuna

Eu tenho fanatismo tão insensato pela palavra, pela tribuna que, faça embora o que fizer de melhor para a sociedade, terei cumprido mal o meu destino se não tiver ocasião de, pelo menos uma vez, erguer a minha palavra sobre a fronte de qualquer infeliz, abandonado de todos; e aí impávido, altivo, audaz e insolente arriscar em prol de sua vida obscura todas as energias de meu cérebro, todos os meus ideais — a minha ilusão mais pura, o meu futuro e a vida minha!…

Euclides da Cunha em caderno de notas de leitura de Eloquence et improvisation, de E. Paignon apud Revista do Grêmio Euclides da Cunha, n. 26.

Progresso

Todo progresso, toda evolução humana se traduz afinal como o resultado da ação ativa das minorias ousadas e inteligentes sobre as grandes massas passivas ignorantes.

Euclides da Cunha, Fragmentos.