Bom dia, sertão!

Aconteceu em agosto: casos e causos das Semanas Euclidianas

Gato Félix. Ilustração: Luiz Carlos Capellano

Nos bastidores da Semana Euclidiana não acontecem só atrapalhadas não, há muita coisa legal e criativa. É o que pretendo relatar, um grande exemplo de criatividade, mas que não deixa de ser engraçado.

Em uma Semana Euclidiana nos anos 90, os hóspedes do Hotel Paulista, onde até hoje fica hospedada uma parte dos participantes da Semana, foram acordados vários dias com um sonoro: BOM DIA, SERTÃO!

Nada demais se a saudação não fosse feita logo às 5h30min.

Nessa época não havia celulares e computador era algo raro e caro, apenas grandes  empresas tinham esta ferramenta. Pois bem, comunicar-se exigia paciência e muitas vezes criatividade, lembrando ainda, que os quartos do hotel não possuíam telefone.

Um jornalista baiano, muito amigo de todos e grande divulgador da obra euclidiana, ano após ano estava nas Semanas Euclidianas trazendo jovens da região de Canudos e Euclides da Cunha, na Bahia, para que participassem do movimento apresentando seus trabalhos, porém, esse jornalista tinha diariamente um programa de rádio matinal nessa região, do qual não abria mão. Pois bem, como conciliar sua participação na Semana com as atividades radiofônicas, separadas há três dias de viagem?

A solução encontrada foi simples, barata e eficaz, porém barulhenta.

Na portaria do Hotel  Paulista havia um telefone público e de lá o herói sertanejo fazia uma ligação a cobrar para a rádio de sua cidade, onde já estava  posicionado um amigo aguardando a ligação; desta forma, ele entrava no ar e transmitia ao vivo, direto de São José do Rio Pardo, seu programa que, naquelas Semanas informava os ouvintes sobre os acontecimentos do evento. Claro que aproveitava também para dar notícias e enviar recados às famílias dos jovens que estavam participando das atividades culturais tão longe de casa.

Após alguns dias acordando com essa alvorada festiva, os hóspedes intrigados tentaram descobrir do que se tratava e ao contrário do que já se pensava não era uma brincadeira não, era trabalho e muito sério.

Admirados com a criatividade do jornalista que transmitia seu programa ao vivo por trinta minutos via telefone público e, com ligação a cobrar, os participantes da Semana quiseram dar sua contribuição. Desta forma, diariamente, passou o jornalista às 5h a bater nas portas dos quartos convidando os interessados a dar entrevistas para o programa e ao vivo.

Era hilário ver várias pessoas de pijama, às 5h30min rodeando o telefone público do hotel, esperando sua vez de responder as perguntas do jornalista e era um tal de faz pergunta e passa o telefone para responder e depois passa o telefone para o outro complementar, como se fosse um debate político, porém muito educado e respeitoso.

O cinema nacional esteve nos anos 80 tomando parte de uma Semana Euclidiana com o glamour que lhe é peculiar, mas com todas as suas dificuldades e, podemos falar o mesmo da rádio do interior da Bahia, que também esteve presente com muita dificuldade sem glamour,  porém com muita criatividade.

BOM DIA, SERTÃO!

Como citar
SILVA, Rachel Aparecida Bueno da. Bom dia, sertão! In: Aconteceu em agosto: casos e causos das Semanas Euclidianas. pref. de Fausto Salvadori Filho. São Paulo: Casa do Novo Autor, 2012. pp. 55-6. E-book. Disponível em: https://euclidesite.com.br/aconteceu-em-agosto. Acesso em: [data]. Reprodução permitida somente para fins educacionais e desde que citada a fonte.