história

Não há autos-de-fé na História.

— Euclides da Cunha, Canudos e inéditos, 1967, p. 88

dois brasis

Soldados e um conselheirista ao centro
Campanha de Canudos, 1897. Conselheirista prisioneiro ao lado de alguns membros do Exército. Ele seria degolado logo em seguida. Foto: Flávio de Barros (Acervo Museu da República).

Quem lê Euclides da Cunha, desde o primeiro momento vê que há dois Brasis: um inclemente, e outro vítima das inclemências.

— Antonio Houaiss sobre Euclides da Cunha, Euclidianos e Conselheiristas: um quarteto de notáveis

amizade

…nada se perde abandonando uma estrela para abraçar um amigo.

— Euclides da Cunha em carta a Reinaldo Porchat, 21 abr. 1893.